12 de julho de 2010

O meu amor de quatro patas!

Estou a tentar imaginar que ela está deitada na almofada em que se deita todas as noites, para dormir aos nossos pés. Ou então que está deitada numa das cadeiras da sala...
Estou a imaginar que talvez ela vá querer lamber o resto do iogurte que fica no fundo do copo. Que vou ouvi-la afiar as unhas no puff...

Que amanhã vai pedir festas antes de sairmos, e estará à porta quando entrarmos..
E estou a tentar acreditar que não preciso sentir cá dentro um vazio enorme. Um silêncio profundo.
E a certeza que perdi alguém que me ajudou a adormecer em tantas noites. E o que ela gostava de adormecer enroscada ao meu peito...e ronronava...ronronava!
Que nunca mais seremos acordados a meio da noite com as cócegas que os seus bigodes faziam na nossa cara!

Já disse que detesto sentir cá dentro o peso do "Nunca mais"...

Hoje vou adormecer com esse peso. Não vou senti-la saltar para a cama, e a deitar-se na almofada e ouvi-la ressonar!

Nunca mais a vou ver, andar aqui por casa.
Morreu magrinha, mas com um peso gigantesco nas nossas vidas.
Nunca vou esquecer a minha gata. Nunca vou esquecer a nossa gata...
E sei que amanhã vou saber agradecer o facto dela ter existido na minha vida.

Mas hoje...prefiro acreditar que está deitada na almofada em que se deita todas as noites, para dormir aos nossos pés. Ou então que está deitada numa das cadeiras da sala...e esquecer as saudades que já sinto cá dentro. Hoje e só hoje são mera fantasia.

Fica bem minha bichinha...

5 comentários:

Anónimo disse...

Vais olhar para todos esses sitios as saudades vão aumentando e depois vem a resignação...
Mas ela vai estra sempre sentada na cadeir, na tua cama, no teu coração...
Bj Amiga Ausenda

Anónimo disse...

É incrivel o vazio que eles nos deixam ....infelizmente sei dar o valor...queria dizer alguma coisa agradável, mas não sai nada. Um abraço. Teresa.

Anónimo disse...

Saudades...e pensar que algo tão pequeno no fundo é tão grande nas nossas vidas...fica bem minha bichinha...

La Sevilhana disse...

Fizeste tudo o que podias por ela. Está-te grata por isso.

Agora dói, a saudade vai ficar sempre, e as boas recordações com ela ainda te vão fazer sorrir.

Bj enorme neste teu dia tão especial.

Anónimo disse...

Sim...é tão difícil falar em horas de dor...será preciso falar?? Para dizer o quê?? Já passaste por tanto, Patrícia........há momentos em q o silêncio impera. Só podes pensar que ela estava a sofrer, e analisando friamente, ve-la mt tempo mal, teria sido ainda pior, não?
Mtos bjs, meu amor.
Iolanda.