26 de julho de 2008

Into the wild

«...As únicas oferendas do mar são puros golpes, e a oportunidade ocasional de nos sentirmos fortes. Não sei muito sobre o mar. Mas sei que é assim.

E também sei que, na vida, o mais importante não é necessariamente sermos fortes, mas sentirmo-nos fortes.
Pormo-nos à prova pelo menos uma vez.
Colocarmo-nos pelo menos uma vez nas mais primitivas condições humanas.
Enfrentar sozinhos a rocha cega e surda, sem outra ajuda, que não seja a das nossas mãos e do nosso cérebro....».

3 comentários:

EboRâguebi disse...

Peculiar? O meu Blog? Porquê?

Anónimo disse...

Curioso, sabes q me gravaram este filme há dias p ver no i-pod nas minhas idas e vindas do serviço.....mas ainda não o consegui gravar lá p o ver....isto as novas tecnologias....mas fico feliz em saber q deve ser alguma coisa de jeito!!!
Bjs amiga!
Iolanda.

Anabela disse...

Olá Kida!
Comecei a ler este livro há 2 dias e já me apaixonei por ele... é lindo! ... e dá que pensar.
Beijos